7 anos após Rana Plaza, ‘marcas ainda não valorizam vidas humanas’